Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó




"Minha Poesia não usa vestes para se camuflar, é livre e nua" (Arnoldo Pimentel)

"Censurar ninguém se atreverá, meu canto já nasceu livre" (Sérgio Salles-Oigers)

"Gambiarra Profana, poesia sem propriedade privada, livre como a vida, leve como pedra em passeata" (Fabiano Soares da Silva)

"Se eu matar todos os meus demônios, os anjos podem morrer também" (Tenneessee Williams)

quinta-feira, 24 de março de 2011

GÊNESIS, EXÍLIO, PARAÍSO (TRILOGIA DA SOLIDÃO)




Esses poemas falam da solidão em si, "Gênesis" é o começo, o nascimento, quando ainda existe a esperança que vai se desfazendo bem à frente, usei o título por achar que nada traduz começo como a palavra Gênesis, Exílio é quando tudo começa se mostrar, os sonhos estão evaporando e a alma se reclusa mostrando o que realmente está por vir, usei o título Exílio por achar que é ali que tudo se desmorona, que a realidade se mostra e as paredes do quarto, que é a própria existência podem ser o auto flagelo, Paraíso é o final de tudo, o ocaso, é ali que a solidão está, mas é também o auto conhecimento, o ocaso sempre foi, é  e sempre será o âmago da solidão de uma pessoa, pois é o seu fim, tendo ela sido feliz ou não.
Uma pessoa falou-me "Mesmo que escolha viver sempre sozinho, viva com Jesus no coração" e acho que só escapa do ocaso da solidão e pode ter um recomeço depois do fim é que tem Jesus no coração.

 GÊNESIS
                                                                     
As luzes ainda foram vistas
Mas logo se apagaram
Os passos foram ouvidos
E logo ali ao lado se calaram
O filme falado
Com cenas mudas
Ficou largado no sofá
O lanche imaginário
Não foi tirado do refratário
O sono cativou
E algemou
A noite acabou


EXÍLIO
                                                                   
Ficou apenas a ilusão
De ouvir o relógio
Ondas que vagueiam
No quarto
Vulto da lua
Que entra pela fresta do tempo
Abrindo a janela
Lembrando o que lá longe
Depois do bosque
O espera

PARAISO

As manchas
Ainda estão no canto da parede
A cama no meio do quarto
O cinzeiro com cinzas
Ao seu lado
Olhar tímido
Tempo perdido
Do amor
Que nunca será
Lembrado

18 comentários:

  1. Solidão...
    Conseguiu através das palavras,
    transmitir exatamente o que é sentir
    solidão...
    Possui uma sensibilidade incrível,
    transborda sentimentos..
    Parabéns, lindo trabalho.

    Beijos

    Marion

    ResponderExcluir
  2. Sentir solidão é sentir um vazio imenso,,,é não ter a dimensão do precipicio da vida...abraços amigo,,,bom final de semana...obrigado pela sua visita...volts sempre que desejar...

    ResponderExcluir
  3. Bom dia,Arnoldo!!

    Quanta sensibilidade nestes poemas!!!
    As vezes um pouco de solidão é bom e necessária...as vezes...
    Beijos!!
    Bom final de semana!!

    ResponderExcluir
  4. Boa Tarde querido, tudo bem?

    Gostei muito do texto, mas a primeira parte em si, me chamou bastante atenção...

    "Gênesis"

    E também acho que nada traduz mais o começo de algo quanto a palavra gênesis. Ficou muito bom...Descritivo.

    Adorei.

    Um beijo,

    Tamires

    ResponderExcluir
  5. Paraíso, exílio, (não importa)
    quero apenas um lugar pra dormir,
    lá do outro lado do horizonte,
    sinto que o terremoto chegou,
    deve haver algum lugar,
    num deserto sem gente,
    com ventos na primavera...

    Adorei aqui!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Bom dia Arnoldo!
    Estou segura que já li e comentei esta sua série antes!
    Não lembro se em outro dos seus blogs ou no RL..
    Realmente,esta série e linda e nostalgíca!

    Arnoldo, além da poesia eu também gosto muito de fotografias, em especial de paisagens.
    Hoje postei algumas destas imagens lá na minha página. Quando você tiver um tempinho e quiser dar uma olhada neste outro meu hobby, eu ficarei encantada.
    Uma linda tarde para você!
    saudades...

    P.S. Ainda não organizei uma galeria de fotos, então as fotos encontram-se postas na página de textos (IMAGENS QUE SÃO QUASE POESIAS

    ResponderExcluir
  7. Num dia de grande emoção

    Que pedia o coração para te agradecer

    com uma sincera oração.

    Ah! se eu fosse um bom poeta,

    ou regesse uma grande orquestra

    te homenagearia com a mais bela poesia

    e uma radiosa harmonia!

    E para você grande amigo das horas de alegria

    Em que eu mais queria,tu estavas lá

    na hora certa pronto a me amparar,

    e a minha cruz aliviar.

    O amigo pontual, da hora especial

    sempre pronto a colaborar

    tornando seguro o meu caminhar!

    Por todas as horas de felicidade

    Rogo a Deus que te abençoe!"

    Tenha um exelente fim de semana com muita paz,alegria e amor.bjks.

    ResponderExcluir
  8. Arnoldo,


    Além da indiscutível qualidade
    de suas poesias, nota-se sua profunda sensibilidade ...

    Te ler é dádiva .


    Bjo e uma Noite de Paz.

    ResponderExcluir
  9. Meu amigo

    Não tenho palavras, porque o texto e a poesia...FALOU...descreveu a solidão, nada a acrescentar...apenas gostei.

    Beijinhos
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  10. Adoro seus poemas...A forma como fala da vida com beleza, delicadeza e amor, mas tambem com realidade.

    ResponderExcluir
  11. Meu Deus eu amo vir aqui e ver a forma como você se exprime em palavras, que bela reflexão sobre exìlio, o livro do Exodo. quanta verdade ali descrita. E os poema onde você coloca em palavras o que sentiu, quanta sensibilidade meu amigo. Uma linda semana para ti e beijinhos carinhosos.

    ResponderExcluir
  12. A solidão, o amor e a sensibilidade sempre tecendo os fios de teus poemas. Bom final de domingo.

    ResponderExcluir
  13. Com certeza um belo trio poetico!
    E no fim, que tudo se resuma sempre num paraiso!

    Beijos meu amigo poeta!

    ResponderExcluir
  14. Boa tarde, meu mano poeta!

    Vim ler-te, sentir a sensibilidade que emana de tu'alma como neste lindo texto, mostrando conhecimento frente aos assuntos que norteiam nossa vida.
    Fantástico!
    Obrigado por teu carinho e atenção!

    Uma abençoada semana pra ti!

    Abraços poéticos meu Irmão!

    ResponderExcluir
  15. Olá1
    Que bela trilogia!
    Parabéns!
    Beijo e excelente semana pra ti.
    Com carinho,
    Mara

    ResponderExcluir
  16. "Do amor que nunca será lembrado" SErá mesmo que não, ou será que ele não será nunca esquecido?
    Uma ótima semana!
    beijosss

    ResponderExcluir
  17. Genésis = Começo
    Exilio = Aprendizado
    Paraiso = Descanço.
    Medite nisto, o amor sempre é lembrado.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  18. óla meu querido passei para ler voce umpouco mais estão lindos seus poemas ,tenho umlindo selinho para voce no meu bloguinho novo
    (mimoseselinhos.blogspot.com)espero voce
    com carinho marlene

    ResponderExcluir