Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó




"Minha Poesia não usa vestes para se camuflar, é livre e nua" (Arnoldo Pimentel)

"Censurar ninguém se atreverá, meu canto já nasceu livre" (Sérgio Salles-Oigers)

"Gambiarra Profana, poesia sem propriedade privada, livre como a vida, leve como pedra em passeata" (Fabiano Soares da Silva)

"Se eu matar todos os meus demônios, os anjos podem morrer também" (Tenneessee Williams)

quarta-feira, 11 de maio de 2011

ARPOADOR



Meus dias são iguais aos seus
Sem o brilho das gaivotas
Que brincam de caçar peixes
Enquanto voam em volta do mar

Parece até que ficamos
Apenas sentados na varanda
Esperando o dia cair
Entre as folhagens que a noite vai cobrir

Sei que os dias passam
E os anos ainda vagam
Pelo tempo

Sei que apenas nos olhamos
Cada um em sua varanda
Com os rostos tocados pelo lamento do vento


11 comentários:

  1. Que poesia bonita, Arnoldo!
    E embalada por essa música, que a muito não ouvia...
    Tenhas uma boa tarde.
    Xeros
    Ana Karla

    ResponderExcluir
  2. Queria eu ser gaivota, não para brincar de caçar peixes, mas por poder pairar em volta do mar. Como um arpoador se exaltar. Seria uma bela forma de viver, amar.
    Belo poema Arnoldo.
    Obrigado pelas visitas no meu blog e por nos proporcionar este prazer de ler seus poemas tão lindos e intensos. Abraços!

    ResponderExcluir
  3. ARNOLDO,
    BELO E NOSTÁLGICO POEMA.
    ABRAÇO.
    VERA.

    ResponderExcluir
  4. LIndos versos poeta.
    Visualizei a cena..

    LInda imagem..uma lindeza d colorido..e música, sem cometários.

    Arrasou!!

    Obrigada por sempre estar preente em meu blog.

    Um beijo..

    Ma

    ResponderExcluir
  5. Meu amigo

    O tempo passa e olhamos o passado e os sonhos que ficaram na janela da vida.

    Deixo um beijinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  6. Sei que apenas nos olhamos
    Cada um em sua varanda
    Com os rostos tocados pelo lamento do vento
    Lindos e tristes versos, a vida escorre pelas mãos, leva nossos medos, nossas incertezas,mas certas coisas não passam...A vida nos põe em caminhos diferentes,mas o que é pra ser será...
    Beijossss

    ResponderExcluir
  7. Meu caro Poeta!!
    Eu ja havia comentado seu belo poema..mas sumiu...

    Muito romantica a cena. Visualizei- nela..num dia de inverno!!

    Parabéns..meu amigo. Escreves muito bem!!!

    Bj

    Ma

    ResponderExcluir
  8. Boa noite, quem sabe eu fico te olhando, te desejando, te querendo, mas a coragem me foge e continuo só te vendo...bjin...gostei

    ResponderExcluir
  9. O lamento do vento toca dois rostos e pode levar carinhos de um lado para outro, unindo pessoas em varandas distintas.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Belíssimo lamento em forma de versos... ah...sempre me penalizo em ver isso acontecer...
    "Sei que apenas nos olhamos
    Cada um em sua varanda
    Com os rostos tocados pelo lamento do vento"
    Meu querido...tenha um doce final de semana...beijos
    Valéria

    ResponderExcluir
  11. bonito, delicado, misterioso...bjuuuu

    ResponderExcluir