Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó




"Minha Poesia não usa vestes para se camuflar, é livre e nua" (Arnoldo Pimentel)

"Censurar ninguém se atreverá, meu canto já nasceu livre" (Sérgio Salles-Oigers)

"Gambiarra Profana, poesia sem propriedade privada, livre como a vida, leve como pedra em passeata" (Fabiano Soares da Silva)

"Se eu matar todos os meus demônios, os anjos podem morrer também" (Tenneessee Williams)

sábado, 7 de novembro de 2009

BORBOLETA





Ainda que eu tiver que ver o crepuscúlo
Pelo quadrado da janela
Tendo o chão gélido e molhado como colchão
Não desanimarei

Ainda que eu tiver que imprimir jornais
Na calada da noite
Para ser perseguida na calçada
Eu continuarei a panfletar meus ideais

Ainda que eu tiver que ficar com meu corpo nu
Para ser torturada
Para ser massacrada
Eu serei Minerva, e firme ficarei

Ainda que eu tiver que sair do casulo
Para bater asas nas ruas de vidro
E sangrar todos os dias
Eu voarei

Ainda que eu tiver que perder minha vida
Na estrada deserta
Para vidas serem livres
Minha vida eu darei

10 comentários:

  1. Um prazer duplo, amigo! Amo borboletas e este poema de significados tão nobres é lindo! Eu amei. Obrigada.


    Carinhoso beijo.

    ResponderExcluir
  2. Sempre tão entregue e envolto pela vida...lindo como sempre!Abraços poéticos

    ResponderExcluir
  3. Olá Arnoldo, forte, determinada borboleta... Um abraço e bom domingo.

    ResponderExcluir
  4. Amo borboletas,me da uma sensação de liberdade muito grande só ñ quero ser como elas pq vivem pouco,rsrsrsr!!!
    Umm beijo e parabéns pelo blog

    ResponderExcluir
  5. Sabe o que isso me lembrou?
    Olga Benário.

    "Lutar pelo bom,pelo justo,pelo melhor do mundo”

    Gostei muito daqui e da sutileza nas palavras...
    Te sigo!

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Nossa maeii sua poesia. Grandiosa, bela, isso retrata a bela de seu ser.....
    Parabéns pelo seu blog....
    Beijoss

    ResponderExcluir
  7. Arnoldo! retrinbuindo a visita e percebi que tens palavras lindas. às vezes sinto-me como uma borboleta e pego-me pensando pq saí do casulo? E descubro que a vida é tão boa de ser vivida e nunca ser desanimada! Parabéns pelo texto. Perfeito! bjosssssss

    ResponderExcluir
  8. Olá Arnoldo!!!
    Que bom que gostou e se tornou seguidor,muito obrigada.
    Parabéns, seu blog é lindo, amei!
    Bjs e uma ótima semana!

    ResponderExcluir
  9. Que linda poesia,singela e encantadora.

    ResponderExcluir
  10. Poema com duplo sentido, mas duplamente lindo.Parabéns! Esta Borboleta eu pego e levo comigo! Beijos!

    ResponderExcluir