Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó




"Minha Poesia não usa vestes para se camuflar, é livre e nua" (Arnoldo Pimentel)

"Censurar ninguém se atreverá, meu canto já nasceu livre" (Sérgio Salles-Oigers)

"Gambiarra Profana, poesia sem propriedade privada, livre como a vida, leve como pedra em passeata" (Fabiano Soares da Silva)

"Se eu matar todos os meus demônios, os anjos podem morrer também" (Tenneessee Williams)

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

TENNESSE

É apenas um lugar
Que ficou escondido no tempo
Em que a cadeira balançava
Na varanda
Tocada pelo vento
Protegida do sol
Protegida da chuva
Dos olhares ermos
Dos sonhos que vagavam
Perdidos
Pelas noites intranquilas
Enquanto o outono
Não dobrava a esquina
Da manhã vazia

9 comentários:

  1. lindo,parece lembrancas...bjosss e adorei!

    ResponderExcluir
  2. Amigo, entrei no teu poema, nesta cadeira balançando na varanda...E quanta beleza senti através dos versos que li.


    Carinhoso beijo

    ResponderExcluir
  3. Linda poesia, linda foto, adorei!Beijos

    ResponderExcluir
  4. Sabe o que eu pensei qdo li sua poesia?
    No sentimento de saudade!
    O tanto que eramos felizes e nem sabiamos!
    =P

    ResponderExcluir
  5. LUGAR

    Mas é um lugar feito pra mim!
    Onde posso me esconder dos
    Meus próprios pensamentos.
    Têm cheiro de laranjeira
    Onde encontro meu eu
    Adormecido...

    ResponderExcluir
  6. Olá, obrigada pela visita às minhas releituras. Já sou seguidora e apreciadoa de suas poesias. Bjs. Bom final de semana. Força sempre!

    ResponderExcluir
  7. Linda poesia e muito forte..
    Gostei muito

    http://www.dommorais.blogger.com.br

    ResponderExcluir
  8. Olá, Arnoldo,
    Gostei muito, tanto do poema quanto da foto. Parabéns!
    E obrigada pela visita ao meu blog. Tb vou te seguir. Abs.

    ResponderExcluir