Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó




"Minha Poesia não usa vestes para se camuflar, é livre e nua" (Arnoldo Pimentel)

"Censurar ninguém se atreverá, meu canto já nasceu livre" (Sérgio Salles-Oigers)

"Gambiarra Profana, poesia sem propriedade privada, livre como a vida, leve como pedra em passeata" (Fabiano Soares da Silva)

"Se eu matar todos os meus demônios, os anjos podem morrer também" (Tenneessee Williams)

quarta-feira, 30 de maio de 2012

O QUARTO




Encostou o carro no pequeno café que fica um pouco antes da ponte sobre o rio, desceu do carro, fechou a porta e foi até a ponte, encostou no parapeito e olhou o rio lá embaixo, levantou a cabeça para olhar um pouco o céu aberto e pode ver lá longe um bando de pássaros rumo ao norte, imaginou os sorrisos quando chegarem e o silêncio na paisagem, agora neutra, de onde saíram. Ficou um tempo olhando o céu e os pássaros, até que estes por fim desapareceram na distância, gostava de viajar assim, sentia-se como aqueles pássaros que cortaram o céu rumo ao norte. Depois de alguns minutos caminhou em direção ao pequeno café na beira da estrada, onde deixou o carro estacionado, chegou à porta e entrou, sentou em um canto próximo a janela e pediu algo para comer.

- Por favor, tem um telefone que eu possa usar? – Perguntou a garçonete quando pagou a conta.
- Lá nos fundos do lado de fora. Tem moedas?
- Tenho o suficiente, não vou demorar. A senhorora sabe onde tem um hotel para passar a noite?
- É só seguir a estrada.
Saiu do café e foi até os fundos, pegou o telefone, discou e aguardou alguém atender do outro lado.
- Alô – Disse a voz do outro lado
- Sou eu, tudo bem?
- Sim, você sumiu, disse que iria viajar e não se despediu.
- Não gosto muito de despedidas, estou viajando a trabalho.
- Já faz dois meses, sinto sua falta.
- Eu também tenho saudades.
- Você é muito importante pra mim.
- Você também é muito importante pra mim, você sabe disso.
- Sei.
- Conseguiu o papel?
- Sim, consegui, estamos em cartaz há um mês.
- Você tem futuro.
- Você me ajudou muito passando o texto comigo para o teste.
- Eu gosto muito de teatro, pena que minha ocupação não me permite ir sempre.
- Eu tenho me dedicado muito para estar sempre bem no palco.
- Tenneesse Williams é meu autor preferido e você só vai melhorar, tenha certeza.
- A montagem é simples, alternativa, mas é meu primeiro personagem importante, a ansiedade é grande.
- Eu entendo, mas você irá se superar, tem talento, nasceu para isso.
- Espero que sim, não quero fazer outra coisa na vida, além de interpretar.
- Você consegue mancar e passar o sentimento de inferioridade bem no palco?
- Sim, e você se interpretasse, qual personagem do Tenneesse gostaria de interpretar?
- Estou mais para Blanche DuBois, rsrs

Houve um silêncio cortado pelo caminhão tanque que passou buzinando na estrada, que logo também silenciou desaparecendo no vento.
 
- Você volta quando? Quero tanto que venha assistir a peça.
- Minhas datas não são previsíveis, poderei ficar meses fora.
- Mas e seu apartamento?
- É praticamente para quando estou de férias e quando levo o trabalho para terminar, organizar, por isso ele está sempre fechado, eu vivo praticamente na natureza, para estudá-la.
 - Então nos conhecemos quando você estava de férias?
- Sim, por isso não me espere, não se prenda a mim.
- O grupo deve viajar com a peça, terei que ir junto, deixarei o roteiro por baixo da porta.
- Talvez a gente nunca mais se veja, não se prenda.
- Eu pensei...
- Não pense, por favor.
- Não sei se conseguirei.
- A ligação está no fim e preciso seguir viagem antes de anoitecer.
- É um adeus?
- Não sei, não sei se terei tempo um dia, mas confesso que queria, queria muito.
- Fiz um poema pra você, quer ouvir?
- Quero, diz.
- Espere, está por aqui.
- Não demore.
- Achei, ouça:

QUARTO

Meu coração
Insiste em sorrir
Com a chegada dos pássaros
Que cortam o céu até aqui
Mesmo sabendo que quando se vão
Em revoada
Deixam o silêncio
Na paisagem neutra
Do meu inverno

Houve um breve silêncio.
- Gostou? - Perguntou a voz do outro lado
- Gostei muito, mas é triste.
- É, um pouco, esse poema sou eu.

-
- Você ainda está ai? Alô, alô, alô.

Arnoldo Pimentel 

24 comentários:

  1. Prezado amigo, boa noite!

    Belíssimo conto! O poema que li no seu outro espaço ficou claro agora para mim!

    Muita paz!

    ResponderExcluir
  2. Intensidade pura!
    Boa tarde amigo!
    Valéria

    ResponderExcluir
  3. oi Arnoldo,

    adorei,
    é puro sentimento...

    beijinhos
    e amanhã você estará comigo
    no meu cantinho

    ResponderExcluir
  4. Bom dia amigo ausente!!!!!!!!!!!!!!!
    expressar nossos sentimentos atrvés de um conto é para quem tem o dom das letras...e vc tem e sabe desenvolver muito bem...
    bjs de bom dia !

    ResponderExcluir
  5. Meu caro,

    Que lindo! Gostei muito!
    Falaste da difuldade de seguir nosso coração em nome da razão, de um jeito todo peculiar. Lindo!

    Grande abraço e obrigada pelo carinho de sempre no Palavras

    Leila

    ResponderExcluir
  6. Oi Arnoldo
    Rolou aí um certo desejo de ficar rs
    desses telefonemas que deixam saudade e o coração apertado.
    Muito bom esse toque e essa voz de vez em quando dizendo Alô alô!
    rs
    abraços e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  7. Olá Arnoldo

    Mais um conto repleto de puro sentimento, inseguro.....
    É a vida, na constante insegurança de encontros e desencontros sempre envoltos em puros sentimentos que nos vão alimentando a alma, nem sempre como desejamos, mas sempre na certeza da realidade.

    Feliz Fim de Semana.
    Um abraço com amizade
    Ana Paula

    ResponderExcluir
  8. Olá Arnoldo

    Mais um conto repleto de puro sentimento, inseguro.....
    É a vida, na constante insegurança de encontros e desencontros sempre envoltos em puros sentimentos que nos vão alimentando a alma, nem sempre como desejamos, mas sempre na certeza da realidade.

    Feliz Fim de Semana.
    Um abraço com amizade
    Ana Paula

    ResponderExcluir
  9. Como é bom passar aqui e ler tão bela escrita.
    Gosto demais dos teus contos.

    Beijos,
    Bom fim de semana...

    ResponderExcluir
  10. Querido amigo, lindo conto, onde o o sentimento balança entre o entre o sentimento e a razão. Adorei!

    beijos, boa semana
    cvb

    ResponderExcluir
  11. Querido amigo, tenha uma linda e abençoada semana. Beijocas

    ResponderExcluir
  12. Arnoldo,li seu poema e parei para refleir o que quis dizer,porém agora com ele no conto,mudou a maneira de senti-lo.O belo poema em seu contesto passou a ter mais brilho.Excelente a sua escrita.Parabéns! Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  13. Olá Arnoldo,o poema toma outra dimensão quando lemos o seu conto,onde o poema faz morada.E,no contexto todo ele adquire grandes proporções.Que bom que podemos sentir alegria e tristeza,pois com isso podemos saber que somos sensíveis,quando lemos uma poesia que nos diz muito à alma.
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia amigo!

      Triste! um sentimento tão bonito... tão puro...

      Beijos e bom dia!

      Excluir
  14. Querido amigo,

    Um texto gostoso de ler, seguido de um belo poema. Adoro, sempre! Adorei esta nova forma de post com texto e poema evidenciando o seu enorme potencial.


    Obrigada pelo carinho no Desnuda, Arnoldo! Beijos e abraços nossos amigo. Edison e eu também estamos saudosos.

    ResponderExcluir
  15. Ola Arnoldo!
    Obrigada por sua visita.
    Passei pra conhecer seu Blog e gostei muito.
    Vc escreve tão bem;parabéns.
    Adorei ler 'O Quarto',uma delícia de texto.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  16. Ah esses telefonemas, cheio de seus atendentes, ilusões, pensamentos, esperanças, decepções...

    Esses telefonemas que nos fazem parar no tempo e ficar. Feito linha grampeada, porta mal fechada, boca seca e entreaberta.

    Bonito, muito.

    ResponderExcluir
  17. Olá Arnoldo,

    Lindo conto, cheio de intensidade.
    Quem de nós já não passou por diálogos tão decisivos não?....seja por telefone e até pessoalmente....
    Parabéns.....seu espaço tem muita personalidade e poesia fluindo no ar.

    Tenhas uma Linda semana, grande abraço de Luz!!!!


    p.s. Gostaria de lhe agradecer pela visita no "Essência", seja sempre bem vindo!!!

    ResponderExcluir
  18. Olá Arnoldo,

    Lindo conto, cheio de intensidade.
    Quem de nós já não passou por diálogos tão decisivos não?....seja por telefone e até pessoalmente....
    Parabéns.....seu espaço tem muita personalidade e poesia fluindo no ar.

    Tenhas uma Linda semana, grande abraço de Luz!!!!


    p.s. Gostaria de lhe agradecer pela visita no "Essência", seja sempre bem vindo!!!

    ResponderExcluir
  19. Boa tarde, Arnoldo. Muito bom, tanto o texto como o poema, e passa uma saudade, um certo desapego, uma contramão da vida.
    Parabéns!
    Um beijo na alma, e fique na paz!
    O brigada pelo seu carinho!

    ResponderExcluir
  20. Boa tarde, Arnoldo. Muito bom texto e poema que refletem uma solidão, um amor desprendido e a contramão da vida!
    As cenas são facilmente imagináveis pela nossa mente, e realmente é o que ocorre muitas vezes!
    Obrigada pelo carinho.
    Beijos na alma, e fique com Deus!

    ResponderExcluir
  21. Oi Arnoldo!!!

    Obrigado por sua visita em meu blog, seja sempre bem vindo!!!

    Também gostei muito do seu blog e seus escritos, Parabéns!!!

    Sempre aprendemos mais com as diversas leituras compartilhando cultura.

    Boa semana!!!

    ResponderExcluir
  22. Amigo. O que é Issoooooo??? Meu Deus quanto talentooo!!! Amei, amei, amei, amei. Quero beber da fonte da tua inspiração.
    Te adoro, sou tua fã número um.
    Um xero cheio de saudade.

    ResponderExcluir