Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó




"Minha Poesia não usa vestes para se camuflar, é livre e nua" (Arnoldo Pimentel)

"Censurar ninguém se atreverá, meu canto já nasceu livre" (Sérgio Salles-Oigers)

"Gambiarra Profana, poesia sem propriedade privada, livre como a vida, leve como pedra em passeata" (Fabiano Soares da Silva)

"Se eu matar todos os meus demônios, os anjos podem morrer também" (Tenneessee Williams)

quinta-feira, 28 de abril de 2011

30 ANOS DE AMIZADE (HOMENAGEM A CLÁUDIO RANGEL)



Um dia, há exatos 30 anos, numa “praia” pela manhã, onde o “verde era o inferno” eu conheci uma pessoa que mudaria minha vida, mudaria meu jeito de ver a vida, de ver as pessoas, daquele dia em diante eu passei a sentir a simplicidade, passei a ser mais humano, a ser mais humilde, a conhecer a amizade e suas fronteiras e seus muros, que ainda hoje às vezes atravesso e às vezes fico em prantos, às vezes erro, a partir daquele dia a poesia passou a fluir diferente, acho que comecei a aprender algo que não aprendi até hoje, a ser gente.


CARTA AO CLÁUDIO RANGEL
Eu comecei a escrever isso em 01 de fevereiro de 2011, data simbólica dos 30 anos de amizade que nos une, eu sei cara que é um poema bem simples, nada para impressionar, fiquei dias lutando com minhas limitações, e esbarrava no pouco talento que tenho e nas inspirações que vinham e iam, pois eu queria fazer algo que chegasse pelo menos perto do seu talento, da sua arte, e sei que nem perto cheguei, lembro-me que quando nos conhecemos éramos muito jovens, eu um desconhecido que engatinhava, e ainda estou engatinhando na poesia e você , apesar da pouca idade, já era rodado, já tinha experiência que somada ao seu talento e conhecimento só me ajudaram, lembro-me das tardes de sábado que eu passava com vocês e você sempre dizia, com o violão nos braços.
--“Você é um homem do mundo e não pode se prender numa cela”

É cara, eu sei disso, mas eu vivo numa cela, na cela do meu próprio isolamento, não sei porque, nunca deixei de ser assim, lembro-me quando estávamos com o Zé Luiz( padrinho desnaturado), e eu com esse meu jeito tímido, calado, sem me abrir muito e você dizia:

--“Arnoldo, não pertencemos a esse lugar”,

Hoje eu tenho certeza que não pertencemos a esse lugar e você sabe que cada vez mais chego a conclusão que a herança que deixarei é meu coração e o meu galardão aqui, aqui nesse lugar é apenas a terra umedecida, nada mais, então procuro meu caminho para além daqui, Deus queira que não seja em vão, sei que nós temos que ver além desse pequeno e limitado horizonte, pois o nosso "inferno verde" foi apenas a metáfora do que iríamos passar na terra de meu Deus.

Hoje além de você só uma pessoa conhece tão bem o meu trabalho, conhece tão bem como sou,a quem como você agradeço de coração tudo que fez e faz por mim como pessoa e por minha poesia, pois sem vocês com certeza minha poesia não seria a mesma e sei que ainda tenho muito, mas muito mesmo que aprender com vocês.


VERDE
Ao meu irmão de coração Cláudio Rangel

A varanda tinha uma cadeira de descanso
De cada lado
As paredes eram emboçadas
A porta estava sempre aberta
Na sala um som
Um quadro na parede
Uma mesa de centro
Enfeitada com uma flor
Uma porção infinita de amor
E um jogo de sofá
Para ouvirmos o violão
Para ouvirmos a bela canção
Como se estivéssemos a beira mar
Como se estivéssemos
Numa clareira
Ouvindo o luar
Ali naquela sala habitava
A simplicidade
O toque sutil da amizade
E eu ficava a contemplar
Pai e filho a cantar
A conversar
A tocarem o violão para me encantar
Dava pra sentir o calor da fogueira
Dava para ficar ali a vida inteira

11 comentários:

  1. oi Arnoldo,

    que linda homenagem,
    amizades perfumam a nossa vida!!

    dava para ficar aqui a vida inteira...
    beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Tão linda homenagem...Daquelas de emocionar.Beijos achocolatados

    ResponderExcluir
  3. Que homenagem mais linda e emocionante.
    Há pessoas que passam na nossa vida que são verdadeiros anjos.
    Sempre acreditei que nada acontece por acaso.
    O seu amigo de certeza deve estar muito honrado com esta sua prova de amizade.

    beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Boa noite, querido amigo Arnoldo.

    Linda homenagem!! Essas lembranças nos trazem de volta, os melhores momentos. É um jeito de estar perto. E agradecer.

    Um grande abraço.
    Felicidades!!

    ResponderExcluir
  5. Arnoldo..linda homenagem como ja foi dito e linda poesia.
    O Claudi Rangel deve ser uma pessoa muito especial. Especial como vc, com tanta sensibilidade.
    Neste mundo em transformação que estamos vivendo, Deus escolhes pessoas para ajuda-lo.
    Eu creio que certas pessoas são este anjos. Pesoas que são sensisiveis, que compartilhamm, se SERVEM, e que faz a sua parte para deixar este mundo mais belo.
    Vc com sua sensibilidade faz issso.
    É a primeira vez que chego a seu blog. Vou te seguir. Gostei muito!
    Ma Ferreira
    Te convido a conhecer o meu: mdfbf.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Bom dia,Arnoldo!!

    Bela homenagem a seu amigo!!Linda poesia!
    Amigos são dádivas que guardamos no coração!
    beijos pra ti!!

    ResponderExcluir
  7. Eu quero um lugar assim para ventar na minha alma.

    ResponderExcluir
  8. Muito lindo, meu amigo, tanto a homenagem quanto o ato de reconhecimento, o afeto demonstrado.

    Arnoldo, não tenho experiência com criação de selos, aliás, sou aprendiz nesse mundo virtual. Mas como desejava dar um mimo aos meus amigos, amantes das letras, criei um, na maior simplicidade. Se você o pegasse no MOMENTOS FRAGMENTADOS, ficaria muito feliz.
    Abraços

    ResponderExcluir
  9. Parabensarnoldo ao aniversariante e a voce por este lindo poema por esta homenagem tão bonita
    uma amizade de trinta anos merece ser comemorada com muita festa muito carinho um grande abraço
    um lindo final desemana bjs marlene

    ResponderExcluir
  10. Nossa Arnoldo, que linda homenagem, que linda amizade. Que dure para sempre. Que sempre tenham um ao outro.

    Bom domingo pra você. Beejo.

    ResponderExcluir
  11. de suspirar... tao lindo que é...é um abençoado, poeta...que assim seja sempre com a graça de Deus...bjuuuu

    ResponderExcluir