Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó




"Minha Poesia não usa vestes para se camuflar, é livre e nua" (Arnoldo Pimentel)

"Censurar ninguém se atreverá, meu canto já nasceu livre" (Sérgio Salles-Oigers)

"Gambiarra Profana, poesia sem propriedade privada, livre como a vida, leve como pedra em passeata" (Fabiano Soares da Silva)

"Se eu matar todos os meus demônios, os anjos podem morrer também" (Tenneessee Williams)

sábado, 20 de outubro de 2012

CORES DA CHUVA


Meu país não cabe uma árvore
O trem passa lá embaixo
Bem longe, no fundo do vale
Carregando seus vagões

Sinto saudades de minha mãe
E do jantar que ela preparava
Lentamente
Depois de fazer suas anotações

O trem passa lá no fundo
Desenhando a paisagem
Com seus vagões

Tem uma árvore
No meu quintal
Olhando para o céu

Arnoldo Pimentel

21 comentários:

  1. No meu quintal também tem uma árvore que olha para o céu e estende os galhos para os passarinhos pousarem. Lindo poema!

    ResponderExcluir
  2. no meu quintal o sol entra e toma conta..
    a única sombra que tenho é a minha..
    só que eu ouço o apito do trem bem perto daqui..

    bjs.Sol

    ResponderExcluir
  3. que delícia Arnoldo..
    não tenho quintal mas me transportei ao teu..
    beijo.

    ResponderExcluir
  4. Lindo Arnoldo
    ... também tô com saudades da minha mãe ...
    me envolvi e senti seu quintal parecido com o meu.
    abraços , bom domingo

    ResponderExcluir
  5. Terna saudade, Arnoldo...Beijos e bom domingo!

    ResponderExcluir
  6. Adorei Aroldo...parabéns! Hoje vim ler seu Blog e estou passeando por aqui!
    Beijos e te desejo um ótimo domingo!
    CamomilaRosa

    ResponderExcluir
  7. Linda de morrer poeta..assim vais voando como um pássaro que nunca esquece a arvore de volta a casa..

    Fico aqui voando como borboletas nestas árvores encantadas de teu lar...

    Beijo no coração

    ResponderExcluir
  8. Pura poesia por aqui!Eu que agradeço por me permitir sempre postar suas belas poesias!bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  9. AQUI SE RESPIRA POESIA E BOM GOSTO SAUDADE DAS COISAS SIMPLES CHEIAS DE IMPORTANCIA PARA NSSO CORAÇÃO QUE FICAM SEMPRE GUARDADAS LA NO FUNDO DESTE COFRE MAGICO UM ABRAÇO POETA PARABENS MUITO SUCESSO SEMPRE BJS MARLENE

    ResponderExcluir
  10. Que lindo, deu uma saudade lendo esse poema.
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Oi Arnoldo!
    Saudade de passar por aqui e ler seus textos.
    'Cores da Chuva',traz uma nostalgia gostosa de sentir.
    Abraços \o/

    ResponderExcluir
  12. Oi Arnoldo,

    Lindo o texto! Lembrei não da minha mãe, mas da minha avó que com toda sutileza era uma dama na chuva ao esperar o trem.

    Abraços,

    ResponderExcluir
  13. OI ARNOLDO!
    SAUDADE, SENTIMENTO QUE FAZ O ELO ENTRE NÓS E NOSSAS LEMBRANÇAS
    MAIS QUERIDAS, TORNANDO-AS VIVAS EM NOSSOS CORAÇÕES.
    ABRÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido amigo
      Passando para agradecer sua carinhosa visita, obrigada!
      Linda poesia encontro aqui.
      Ventos de Primavera, o tírulo já é uma poesia que se faz bela e torna-se uma obra de arte pelo coração do autor
      Parabéns!
      Um abraço poético!

      Excluir
  14. Buen fin de semana, que pases un hermoso fin de semana, te invito a leer un poema mio, se titula “Marioneta”, ha sido un gusto visitar tu grandioso blog y te felicito por tu gran trabajo.

    ResponderExcluir
  15. Saudade, melancolica, nostalgica, hermosa poesia.
    Boa noite.

    ResponderExcluir
  16. Adorei a tua árvore olhando para o teu céu.
    Também quero que achegar nesta sombra...,
    nesta magia...

    ResponderExcluir
  17. nostalgia...tão linda a arvore que imaginei.

    ResponderExcluir