Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó




"Minha Poesia não usa vestes para se camuflar, é livre e nua" (Arnoldo Pimentel)

"Censurar ninguém se atreverá, meu canto já nasceu livre" (Sérgio Salles-Oigers)

"Gambiarra Profana, poesia sem propriedade privada, livre como a vida, leve como pedra em passeata" (Fabiano Soares da Silva)

"Se eu matar todos os meus demônios, os anjos podem morrer também" (Tenneessee Williams)

sábado, 18 de agosto de 2012

NUVENS INCOLORES



NUVENS INCOLORES


Depois que tudo acabou
As palavras viraram nuvens
E as promessas
Não foram cumpridas

Ficou o vazio
Da aquarela pintada
Com todas as cores
(Incolores)

Nuvens incolores
Nem sempre podem nos ouvir
Vivem a rondar as praças
A procurar pegadas apagadas

Para reencontrar o amor que ficou no tempo
Que evaporou na areia
Levado pelo âmago do vento

Abro a porta e o céu encobre
Os edifícios que rodeiam meus olhos
Queria apenas poder olhar lá do alto
O que ficou pra trás e descobrir que

Talvez as promessas nunca tenham existido
Que foram apenas palavras que se formaram
Nuvens passaram
E viram que não tinham pra onde ir



Arnoldo Pimentel
Este poema é parte integrante do livro NUVENS de Arnoldo Pimentel, para adquirir:
Blog:   gambiarraprofana.blogpot.com


23 comentários:

  1. "Palavras escritas
    levadas pelo vento
    que nem o tempo segurou!
    Promessas não cumpridas,
    que ao menor toque de vida,
    se esvaiu da mente, se dissipou.
    E o que sobrou? Apenas a saudade
    de tudo aquilo que se prometeu e
    não foi cumprido...Acabou!"

    Abraços, sempre me empolgando, adoro!

    ResponderExcluir
  2. Belíssimo... gosto de poemas que nos ofereçam possibilidades, diferentes sentires.

    ResponderExcluir
  3. Belo poema Arnoldo, as vezes as palavras, promessas,os amores, são como nuvens, nuvens que se vão, dissipando com o vento. É uma pena, mas tudo passa... nuvens passageiras... Um belo fim de semana pra você. Bjks

    ResponderExcluir
  4. Oi Arnoldo,muito bonito o poema.
    Adorei essa parte:
    'Talvez as promessas nunca tenham existido
    Que foram apenas palavras que se formaram.'
    Gostei mesmo.
    Bjs!
    Bom fim de semana :)

    ResponderExcluir
  5. O livro é ótimo e, não é novidade para ninguém, que eu recomendo com louvor!

    ResponderExcluir
  6. PORQUE NA VIDA NUVENS PASSAM... NUVENS VÊEM...PALAVRAS SE DIZEM... E FICAM SE FOREM ESCRITAS NUM POEMA!!!

    CONTUDO AS NUVENS SE DESFAZEM, SEJA QUAL A FORMA!!!

    GOSTEI PIMENTEL!!!

    1 BEIJO LÍDIA

    ResponderExcluir
  7. Prezado amigo Arnoldo, por motivos de saúde ando ausente...
    No entanto sinto muitas saudades do contacto com muitos dos amigos através dos blogs. Aproveito esta tranquila tarde de sabado, onde (sentindo-me banhada de fé que em muito breve estarei totalmente recuperada pela luz Divina), voou por alguns dos blogs amigos para matar a saudade. Desculpe minha ausência.
    Um lindo e abençoado domingo para você.
    Ange.

    ResponderExcluir
  8. Ventos de ilusões...

    Beijo carinhoso.

    ResponderExcluir
  9. Nostálgico e lindo.
    Bom domingo
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  10. O que passou nem sempre passa assim tão fácil, como as nuvens Arnoldo.

    Bjos e boa semana!!

    ResponderExcluir
  11. Algum espaço as nuvens encontraram na espera da modificação

    E voltaram e se tornaram nuvens outra vez...

    Belo!

    Maria Luísa

    ResponderExcluir
  12. Lindíssimo, seu poema Arnoldo!
    Boa semana amigo, beijos
    Valéria

    ResponderExcluir
  13. Ah mais uma obra prima sua, nostálgico e belo por demais, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  14. Olá.
    Seu blog é muito bom,parabéns.
    Quer divulgar no Portal Teia?
    É só nos fazer uma visitinha.
    Até mais

    ResponderExcluir
  15. Oi Arnoldo,

    Tudo bem? Belo poema! Penso que promessas nunca devem existir, pois o ser humano por mutável se perde em palavras.

    Lu

    ResponderExcluir
  16. Seus poemas são lindos, esse, então, não tenho palavras para dizer o que senti quando li... FASCINANTE!!!

    "Nuvens que não tinham para onde ir..."

    Isso é triste, pois nas nuvens desenhamos nossos sonhos, damos formatos a elas e são elas que encobrem e arregalam o céu azul acima das nossas cabeças...

    Sou sua admiradora!

    Abç
    Chris

    ResponderExcluir
  17. OLá,
    Nostálgico e belo.Adorei.Tocou o coração.Parabéns poeta.Abraço

    ResponderExcluir
  18. Visitando, lendo.

    Vou, volto.


    abração!

    ResponderExcluir
  19. Boa tarde, Arnoldo. Lindo poema e uma grande verdade. Promessas são feitas às vezes no afã de não perder a pessoa amada, no entanto, é puro engano. Chegamos a crer desesperadamente com o nosso coração de pessoa que ama, mas vemos mais adiante, que palavras tomam outras formas, tais quais as nuvens ao sabor do vento!
    Beijos na alma e fique na paz!

    ResponderExcluir
  20. Oi amigo. este poema fala como se fosse o meu próprio coração... que por agora sangra e talvez morra ao anoitecer. bjos

    ResponderExcluir