Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó




"Minha Poesia não usa vestes para se camuflar, é livre e nua" (Arnoldo Pimentel)

"Censurar ninguém se atreverá, meu canto já nasceu livre" (Sérgio Salles-Oigers)

"Gambiarra Profana, poesia sem propriedade privada, livre como a vida, leve como pedra em passeata" (Fabiano Soares da Silva)

"Se eu matar todos os meus demônios, os anjos podem morrer também" (Tenneessee Williams)

terça-feira, 22 de novembro de 2011

VÊNUS


Algumas camisas estão
Penduradas no cabide
Esperando que o guarda roupa
Seja aberto
Para poder apenas
Por um instante
Ver o mundo lá fora
Sabendo que apenas uma
Será escolhida
Para passear

Este poema faz parte do livro NUVENS  de Arnoldo Pimentel
Para adquirir entre em contato
Email: arnoldopimentel@gmail.com

13 comentários:

  1. Boa noite, espero que tu escolhas uma AZUL, pois e a cor que adoro...Lindo demais, curto e direto! Abraços

    ResponderExcluir
  2. Que lindo!
    Parabéns!
    Com carinho,
    Mara

    ResponderExcluir
  3. Boa noite meu querido amigo!
    Muito bom te ver de novo,na ativa...
    Este poema é lindo,tenhe seu jeito...
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Arnoldo, gostei muito, terei todo o prazer em adquirir o seu livro...

    bjs
    oa.s

    ResponderExcluir
  5. ÓLA MEU CARO E QUERIDO POETA Arnoldo que belo poema,até mesmo as camisas estão a espera que alguem as deixe ver a luz do soldo dia
    linda sua criatividade parabens um abraço
    marlene

    ResponderExcluir
  6. Muito interessante a sua forma de ver. Muito bonita também. Obrigada por sempre me visitar e seus comentários deixar. bjos.

    ResponderExcluir
  7. Que bonito poema!!
    Um grande abraço amigo e boa sorte com seu livro.
    Bjinhoss XD

    ResponderExcluir
  8. Olá, Arnoldo Pimentel

    Algumas roupas talvez fiquem lá,
    penduradas para sempre nos cabides...
    Talvez porque as cores sejam fortes
    para alguém que ainda não se mostra,
    talvez porque não sirvam mais em nós...

    Algumas roupas talvez fiquem amareladas,
    saiam de moda e acabem caindo no ridículo,
    outras, muito irreverentes, ficam lá ansiosas
    esperando que tomemos coragem para mudar,
    coragem para abrir a porta e nos libertar...

    Ameio tudo aqui,
    Bjs
    Chris

    ResponderExcluir
  9. Olá Arnoldo,
    Tudo bem?
    Muito interessante seu poema.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  10. ...Umas desgastadas,amarelas, outras com sede de vez o mundo, clarear nele.
    Lindo Poema.

    ResponderExcluir
  11. Meu amigo um poema não só belo como também trazendo uma analogia muito inteligente, parabéns beijos Luconi

    ResponderExcluir
  12. kkkkkkkkkkkk Posso brincar um pouco?
    Amigo meu guarda roupas está em depressão então....vou mudar a situação...kkkkk

    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Querida amigo,

    Te desejo luz no tempo do Advento que começa hoje. Tempo de renovação da fé e da esperança, que o ser humano, um dia, seja capaz de superar as falhas, as doenças físicas e mentais, e deixar nascer o Homem são, capaz de espelhar em si o cosmo, ou seja, torne-se o próprio filho de Deus.

    Beijos

    ResponderExcluir