Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó




"Minha Poesia não usa vestes para se camuflar, é livre e nua" (Arnoldo Pimentel)

"Censurar ninguém se atreverá, meu canto já nasceu livre" (Sérgio Salles-Oigers)

"Gambiarra Profana, poesia sem propriedade privada, livre como a vida, leve como pedra em passeata" (Fabiano Soares da Silva)

"Se eu matar todos os meus demônios, os anjos podem morrer também" (Tenneessee Williams)

domingo, 24 de janeiro de 2010

JARDIM SEM ANJOS



JARDIM SEM ANJOS
Poesia dedicada a Dida Nascimento, do po-de-poesia e seu quadro

Essas flores não têm mais perfume
Esqueça as trovas que ouviu nas noites
Enluaradas em que sonhava com um amor
Que poderia haver entre as janelas do quarto

Olhe bem as camadas que escondem as palavras
Que foram jogadas ao vento na intenção de iludir
As mariposas que vagavam perto das luzes de névoa
Sem pergaminhos para escrever o que ouvia no coração

Sinta o gosto da ferida que foi deixada
No corte que não sangrou porque a pele de cimento
Ainda existe na solidão pintada no vidro
Com as mãos que foram tocadas pela ponte sobre o rio seco

O jardim florido está perdendo as asas de anjo
E as rosas vermelhas estão deixando de ser ouvidas
Porque o vento está soprando na direção do leste
E tentando mostrar ao seu coração que jamais existiram flores no quadro

Talvez o mundo do coração não seja ilusório
E as gotas de suor que escorreram pelas sombras
Ainda seja a melhor tatuagem para carimbar a estrela cadente
Que partirá do mundo de sombras que iludiu a madrugada com desamor

Eu sei que ainda vou sorrir durante a chuva que cairá na estrada
Mas o sorriso amargo na minha face é a prova que sairei inteiro
Depois do vendaval que fará sucumbir o jardim sem anjos
Onde só ficará quem realmente se deixar enganar depois do amanhecer

12 comentários:

  1. Que linda poesia, adorei a parte que diz:
    "Talvez o mundo do coração não seja ilusório
    E as gotas de suor que escorreram pelas sombras"
    Belas palavras!!
    Bjo Arnoldo

    ResponderExcluir
  2. Arnoldo, amigo poeta!
    Achei de uma profundidade estes versos, que quase me perdi neles... Mas gostei deste estrofe:

    Eu sei que ainda vou sorrir durante a chuva que cairá na estrada
    Mas o sorriso amargo na minha face é a prova que sairei inteiro
    Depois do vendaval que fará sucumbir o jardim sem anjos
    Onde só ficará quem realmente se deixar enganar depois do amanhecer

    É de uma simplicidadee, ao mesmo instante profundo. Excelente!

    Beijos graciosos,
    Graciele Gessner.

    ResponderExcluir
  3. Amigo,

    um belíssimo poema onde cada verso vai plasmando no imaginário uma reflexão profunda.

    "... Eu sei que ainda vou sorrir durante a chuva que cairá na estrada
    Mas o sorriso amargo na minha face é a prova que sairei inteiro
    Depois do vendaval que fará sucumbir o jardim sem anjos
    Onde só ficará quem realmente se deixar enganar depois do amanhecer "

    Carinhoso beijo, poeta!

    ResponderExcluir
  4. Todo jardim precisa de anjos. Que eles aparecem depois de ler esse poema.
    Belas palavras.
    Ah,obrigada pelaslindas palavras que vc deixou em meu blog. Me sinto honrada que meu blog tenha um seguidor como vc..
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Muito lindo e leve esse seu poema amigo.
    Parebens.

    ResponderExcluir
  6. Muito lindo vosso poema.

    Belas e sabias palavras postas em versos, o descreveste de uma forma profunda a tocante.

    Adorei mesmo!

    Beijos, de alguem que adimira seus poemas..

    ResponderExcluir
  7. Rackel Ferreira da Fonseca Tambara27 de janeiro de 2010 06:04

    Que fôlego, hein? Profundo, catártico. Excelente.

    ResponderExcluir
  8. Amigo!Que linda poesia!Gosto de poesias e as suas são maravilhosas,encantam a alma!
    Parabéns por ser esse grande e inspirado poeta que nos brinda com verdadeiras obras de arte como esta!
    Sucesso,felicidade,paz,luz e sonhos sempre em sua vida!

    Ah!Estou preparando uma postagem para o meu Blog com a primeira obra de 2010 que é uma homenagem a uma amiga poetisa,o quadro se chama "Sol da Meia Noite"!Aguardo sua visita e opinião!
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  9. Lendo a poesia de um "Jardim sem Anjos"
    Me pergunto quem sou?
    Será que minhas lágrimas marcaram
    O violino ou, será que
    Sou apenas uma interrogação...
    Sei que tenho medos e certezas
    que me fazem poesia
    Nas infinitas horas da madrugada
    Quando me revelo nas palavras inexatas.
    As flores sempre me trarão as trovas
    De enrredos desconhecidos de minh'alma.
    Ainda assim... não sei quem sou.

    Meu Mestre... consegui me ler em seu poema!
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Arnoldo estava com saudades de sentir estes ventos, adorei seu poema jardim sem anjos,muito profunda,envolvente e significativa...um jardim sem flores e sem anjos nao seria um jardim!!

    Eu sei que ainda vou sorrir durante a chuva que cairá na estrada
    Mas o sorriso amargo na minha face é a prova que sairei inteiro
    Depois do vendaval que fará sucumbir o jardim sem anjos
    Onde só ficará quem realmente se deixar enganar depois do amanhecer

    Belissimo, um poeta que escreve com alma e fala do seu coracao.
    bjoss no seu coracao meu amigo!

    ResponderExcluir
  11. Maravilhosa postagem essa, Arnoldo! E acaba lembrando o meu post tb, já que o seu poema remete à tristeza de já não possuir aquilo que foi seu em tempos passados. Obrigada pela visita! E volte sempre! =D

    ResponderExcluir
  12. Magnífico poema Amigo!
    Você fechou com chave de ouro no último verso.
    Parabéns e Sucesso Sempre pra Você!
    Sou sua fã.

    Beijos no coração
    Eliza

    ResponderExcluir